É fácil prevenir-se contra o câncer de pele. Saiba como clicando aqui!

Área Médica
Siga-nos:

Menu

Pesquisar

Laser e fototerapia no tratamento da acne

A acne vulgar é uma doença dermatológica muito comum, que pode causar tanto transtornos estéticos como psicológicos nas pessoas acometidas por esta patologia, que atinge principalmente o público jovem.

Vários tratamentos são propostos para o combate desta doença. Os mais convencionais (sabonetes, géis com substâncias esfoliantes, antibióticas e secativas e antibióticos orais) controlam a doença mas, após a suspensão, há uma grande chance do retorno dos sintomas.

Para casos mais graves ou de difícil controle, existe a isotretinoína, droga potente, que consegue um alto índice de cura no período de 6 meses a 1 ano, mas com efeitos colaterais e contra-indicações importantes, principalmente a mulher em idade fértil, que não pode engravidar durante o tratamento e até 2 meses após a suspensão da droga.

Laser e fototerapia

Uma nova linha terapêutica está tomando cada vez mais o lugar destes tratamentos, são os aparelhos de laser e de fototerapia. Neste último grupo, através da aplicação de uma fonte de luz na pele acometida, pelo menos 2 vezes por semana, em torno de 15 minutos cada sessão, a acne inflamatória reduz drasticamente num período de 2 meses.

A bactéria propioniumbacterium acnes, presente nos quadros de acne, é extremamente sensível a esta luz, sendo então destruída após aplicações repetidas. Ou seja, diminuindo a população desta bactéria, diminui o processo inflamatório e infeccioso da acne, melhorando o quadro do paciente.

Já o laser tem atuação na derme profunda, onde estão localizadas as glândulas sebáceas. Através de um aquecimento intenso nesta região, estas glândulas diminuem sua atividade de secretar sebo para a superfície da pele, melhorando a seborréia e conseqüentemente a acne. Devido a esta atuação na derme, o aquecimento vai promover a formação de um novo colágeno, levando, também, a uma melhora das cicatrizes da acne.

É importante salientar que o melhor tratamento ainda é o convencional, e que estas novas terapêuticas podem ser combinadas com ele ou uma opção para tratar os pacientes resistentes aos tratamentos convencionais ou que não possam fazer uso das medicações.

E compartilhe!
Desenvolvido por Visana Comunicação