É fácil prevenir-se contra o câncer de pele. Saiba como clicando aqui!

Área Médica
Siga-nos:

Menu

Pesquisar

Grânulos de Fordyce

O que é?

Os grânulos de Fordyce são uma variante de glândulas sebáceas que não estão ligadas aos folículos pilossebáceos e estão situadas fora da sua localização normal, o que as tornam visíveis.

Os grânulos de Fordyce aparecem como pequeninos pontos discretamente elevados, de coloração amarelada ou esbranquiçada. A localização mais frequente é no lábio superior, mas também podem ser encontrados na mucosa da bochecha, do pênis ou da vulva.



Provavelmente já estão presentes ao nascimento mas se tornam mais visíveis com a chegada da puberdade. São encontrados em um grande número de adultos. Quando são mais discretos, podem ser percebidos mais facilmente se a pele for esticada.

Algumas vezes, os grânulos de Fordyce geram ansiedade nos pacientes pelo seu aspecto, mas são lesões totalmente benignas, seja nos lábios ou nos genitais, não provocando nenhum problema além do transtorno estético.

Quando afetam os genitais, podem ser confundidos com as lesões iniciais do condiloma acuminado, doença sexualmente transmissível sem nenhuma relação com o quadro. Daí a importância de se procurar um médico para o correto diagnóstico.

Manifestações clínicas dos grânulos de Fordyce

Os grânulos de Fordyce aparecem como pequeninos pontos amarelados ou esbranquiçados nos lábios, em pequeno ou grande número, isolados ou agrupados formando placas maiores.

A localização mais frequente é o lábio superior. Também podem surgir na mucosa da boca, gengivas e genitais. As lesões são assintomáticas.

grânulos de fordyce

Pequenos pontos amarelados no lábio superior

Tratamento

Como se trata de uma condição benigna, não há necessidade de tratamento. Deve-se evitar furar ou espremer as lesões na tentativa de retirá-las, isso não vai resolver.

O tratamento se daria apenas por motivos estéticos nos casos muito extensos, já que as lesões, além de benignas, não apresentam qualquer sintoma associado. Uma opção é uso do laser de CO2 ou eletrocoagulação.

 

Colaboração: Dr. Roberto Barbosa Lima – Dermatologista

E compartilhe!
Desenvolvido por Visana Comunicação