É fácil prevenir-se contra o câncer de pele. Saiba como clicando aqui!

Área Médica
Siga-nos:

Menu

Pesquisar

Queilite angular, boqueira ou perleche

O que é?

Queilite angular é uma inflamação que afeta as comissuras labiais ou cantos da boca. Também é conhecida como boqueira, perleche, estomatite angular ou queilose angular.

A doença é comum, afeta crianças e adultos e, dependendo da causa, pode durar poucos dias ou persistir por longos períodos de tempo. Entre as causas da queilite angular estão:

  • o hábito de lamber os lábios, que provoca uma dermatite por irritante primário ou queilite eczematosa pela saliva
  • a sobreposição do lábio superior sobre o lábio inferior (rugas da marionete), mais frequente em pacientes idosos
  • lábios ressecados
  • proliferação bacteriana, fúngica (candidíase, sapinho) ou viral



Abaixo, alguns fatores predisponentes para o surgimento da queilite angular:

  • Candidiase oral (sapinho) decorrente de diabetes, uso prolongado de corticosteróides ou antibióticos
  • Próteses dentárias mal ajustadas ou aparelhos ortodônticos
  • Deficiências nutricionais, especialmente de vitamina B
  • Doenças sistêmicas, principalmente as que afetam o sistema gastrointestinal
  • Pessoas com pele sensível, como portadores de dermatite atópica
  • Uso de retinóides orais: isotretinoína para o tratamento da acne e acitretina para psoríase

Manifestações clínicas da queilite angular

Os cantos da boca se tornam avermelhados, macerados (áreas esbranquiçadas), com rachaduras, descamação e erosões. Pode ocorrer também a formação de bolhas e crostas.

queilite angular

Queilite angular. Imagem cedida por atlasdermatologico.com.br

Os pacientes queixam-se de dor, que provoca dificuldade para abrir a boca, ardência (principalmente durante a ingestão de alimentos ácidos) e sensação de ressecamento.

Tratamento

A correção das causas e fatores predisponentes são fundamentais para a cura da queilite angular. Se estes não forem corrigidos, mesmo após a aplicação do tratamento adequado, a doença pode voltar.

Geralmente, a doença é controlada apenas com o uso de medicamentos aplicados localmente, como antifúngicos, antibióticos ou corticosteróides, que devem ser indicados de acordo com cada caso. Em alguns casos pode ser necessário o uso de medicação oral ou suplementação de vitamina B quando há deficiência.



O uso de hidratantes ou emolientes labiais são indicados nos casos de ressecamento. Além de hidratar, formam uma camada protetora para os lábios. São fundamentais para controlar o hábito que algumas pessoas tem de passar a língua nos lábios continuamente.

Exames de material colhido nas lesões para a pesquisa de possíveis microorganismos envolvidos podem ser necessários em casos resistentes aos tratamentos convencionais.

 

Colaboração: Dr. Roberto Barbosa Lima – Dermatologista

 

E compartilhe!
Desenvolvido por Visana Comunicação