É fácil prevenir-se contra o câncer de pele. Saiba como clicando aqui!

Área Médica
Siga-nos:

Menu

Pesquisar

Peelings combinados: associação de ativos melhora resultados

Além do envelhecimento natural, comum a todos os órgãos, a pele sofre a ação de agentes externos que promovem o seu envelhecimento progressivo. O principal agente envelhecedor é a radiação solar.

A ação do sol tem efeito acumulativo e, com o passar dos anos, começam a surgir as manifestações decorrentes dela. É o chamado fotoenvelhecimento. Ele se manifesta através do surgimento de manchas, diminuição da elasticidade, formação de rugas e asperezas na pele, além de flacidez e perda de luminosidade.

fotoenvelhecimento

Fotoenvelhecimento

Peelings químicos

Algumas substâncias químicas, quando aplicadas sobre a pele, combatem os danos provocados pelo sol, melhorando o seu aspecto, entre elas os ácidos retinóico, glicólico, salicílico, lático e a resorcina. O resultado é a melhora da textura, do brilho e da aparência da pele, com a diminuição das manchas e atenuação das rugas.

Os efeitos dos ácidos sobre a pele podem aparecer mais rapidamente quando utilizados em alta concentração, através dos peelings químicos.

Os peelings superficiais são os mais adequados para quem deseja melhorar a aparência da pele, sem deixar de exercer suas atividades diárias. A descamação é discreta, não impedindo o convívio social, e a melhora da pele é percebida gradualmente desde o início do tratamento.

A aplicação seriada dos peelings superficiais acelera o processo de renovação da pele e estimula a produção e reorganização do colágeno, atenuando manchas e rugas.

Combinação de ativos melhora resultados

Visando obter resultados mais perceptíveis em menor tempo, sem abrir mão da segurança e conforto dos peelings superficiais, pode-se utilizar a técnica dos peelings combinados. Neste tratamento, são utilizados 2 tipos de peelings superficiais em uma mesma sessão, aproveitando-se os melhores efeitos de cada substância e conseguindo-se uma ação mais eficiente sem aprofundar o tipo de peeling.

É possível, também, utilizar potências diferentes de ácidos de acordo com as alterações de cada área da face. Pode-se, por exemplo, utilizar um peeling de média profundidade apenas nos locais onde o fotoenvelhecimento se manifesta mais pronunciadamente e, nas áreas onde o dano for menor, utilizar ácidos mais fracos. Desta forma, os efeitos colaterais mais intensos ficam restritos aos locais onde foram utilizados os ácidos mais potentes, diminuindo o desconforto no pós-peeling.

peelings

Peelings combinados – antes e depois

Colaboração: Dr. Roberto Barbosa Lima – Dermatologista

E compartilhe!
Desenvolvido por Visana Comunicação