Vacina para herpes zoster

Infecção viral que provoca muita dor e surge quando cai a resistência do organismo, o herpes zoster recebeu esse nome porque sua manifestação na pele se parece com a do herpes simples, que é mais comum. A doença, no entanto, é provocada por outro vírus, o varicela-zoster, o mesmo vírus causador da catapora.

Outra similaridade entre as infecções do herpes zoster e do herpes simples é que ambas se manifestam quando cai a resistência do organismo. No entanto, as coincidências param por aí, pois a dor e o desconforto causados pelo vírus zoster são bem superiores.

Nova vacina vai prevenir a doença em 51% dos casos

Para combater a herpes-zoster, o laboratório Merck Sharp & Dohme desenvolveu a primeira vacina contra a doença, a Zostavax. Sua utilização em pessoas com mais de 60 anos de idade foi aprovada, no último dia 25, pelo FDA (órgão dos EUA responsável pela regulação de medicamentos e alimentos). No Brasil, a Merck já solicitou à Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) a liberação da droga e, segundo o laboratório, a regulamentação deve sair no início de 2007.

O imunologista Glacus de Souza Brito, membro do comitê científico de imunizações do estado de São Paulo, explica que a vacina foi aprovada para pessoas com mais de 60 anos porque a herpes-zoster é muito mais comum na terceira idade.

Noventa e cinco por cento das pessoas têm o vírus da catapora e geralmente ele se manifesta nos idosos em forma de herpes-zoster, diz o médico, completando que a doença surge quando a resistência do organismo cai e há um quadro de imunodepressão senil.

Brito ressalta que a vacina não é para tratamento e sim prevenção. A vacina é um pedaço do vírus morto e vai despertar a imunologia desse velhinho. Ele lembra ainda que a eficiência da vacina não é 100%.

O infectologista pediátrico e professor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), Marco Aurélio Safady, explica que a dosagem da Zostavax é mais alta que na vacina da varicela e considera muito bons os resultados das pesquisas com a nova medicação. Não é porque a pessoa foi vacinada que está totalmente imune, mas com a vacina, os riscos de desenvolvimento do herpes-zoster diminuem em 51%.

Zoster é uma reativação da catapora

De acordo com a dermatologista paraense Adriana Linhares, o herpes-zoster é um tipo diferente do herpes mais conhecido. Quando a criança tem catapora, o vírus fica inativo. E depois de anos, na terceira idade, por exemplo, o vírus reage, como se sofresse uma reativação, explica a médica.

Ela acrescenta que, mesmo em menor escala, alguns nem sabem que tiveram catapora. Há pessoas que têm catapora assintomática. Nesses casos, elas podem, sim, desenvolver o herpes zoster quando adultas, confirma.

Fonte: O Liberal Online - PA (02/07/2006).

Saiba mais sobre o herpes zoster ("cobreiro").

Mais notícias