Dermatologia OnlineDermatologia Online

Saúde e Beleza da pele
Publicidade
Siga-nos no Twitter Facebook
Enviar
Pele e Psiquismo

Neurodermite - A pele como escape para o estresse

Neurodermite é um quadro dermatológico, relativamente freqüente, que tem início por uma inflamação, irritação ou sensibilização ocasional da pele, como uma micose, a ação de uma substância agressiva ou uma alergia por contato, com colar, por exemplo. Esse evento é acompanhado de coceira geralmente de média intensidade. Após cessar a alteração da pele, a pessoa continua a atritar o local enquanto restar a sensação de prurido (coceira).

Liquenificação

O esfregar freqüente e repetido termina por espessar a pele e gerar um aspecto chamado liquenificação: escurecimento e engrossamento da pele com leve descamação e brilho da superfície cutânea. Essa modificação da pele cria mais prurido, o que incita a pessoa a coçar mais aquele lugar. Isso se torna tão freqüente que passa a ser feito automaticamente, de modo que a pessoa não se dá conta do que está fazendo. Nesse ponto, a dermatose inicial já foi curada, mas permanece aquela área de coceira constante.

Ponto de escape do estresse

A seguir, todas as situações de estresse que o indivíduo sofre passam a ser descarregadas na área de neurodermite. Ela passa a ser o ponto de convergência das tensões. Sempre que o estresse se eleva a pessoa sente coceira naquela lesão de pele e leva a mão àquela área e a atrita.

Assim, em toda situação de tensão, seja por preocupação, concentração, conflito, dúvida, inconscientemente a pessoa coça a área alterada. E, desse modo, forma-se um ciclo tensão-prurido-coçadura-engrossamento da pele; este leva a mais prurido, mais fricção, etc. Daí para a frente, a pessoa não mais se dá conta do que está fazendo e só percebe que aquela lesão não se cura e a pele permanece escura e espessa. Há casos de neurodermite com mais de um ano de duração.

Cura

Quando a pessoa fixa a atenção no problema e resolve tratá-lo, vai consultar um dermatologista. Este faz o diagnóstico muito facilmente, ao simples exame, pois o aspecto da neurodermite é típico. Os locais mais atingidos são pontos que podem ser facilmente alcançados pelas mãos, como lados do pescoço, punhos, terço inferior das pernas e dorso dos pés. A possibilidade de cura é total.

O tratamento é feito apenas com medicamentos de uso local. O mais importante, porém, é que o paciente receba a explicação do que está acontecendo e de por que a lesão permanece. O médico pede que ele esclareça o caminho que segue para coçar o local, ou seja, que tome consciência do que ele faz inconscientemente. Por exemplo: o que se passa um segundo antes de iniciar a coçadura, em que situação se encontra, em que local e qual o pensamento que antecede o gesto repetitivo.

A seguir, orienta-se o paciente a refazer intencionalmente esse caminho: imaginar-se na situação e no local onde coça a pele, pensar no que pensa e verificar, passo a passo, como o pensamento produz o movimento. Repete-se isso várias vezes, de modo que fique gravado no inconsciente. Pede-se ao paciente que, sempre que se dê conta de que está coçando o local, verifique qual pensamento deu origem à ação.

Como não se trata de compulsão, mas de simples hábito inconsciente, em pouco tempo ele será capaz de cortar o ciclo tensão-coçadura e os remédios prescritos farão com que a pele volte ao normal. A neurodermite é exemplo da pele como saída para as tensões.

Colaboração: Dr. Roberto Azambuja - Dermatologista

Veja também

Mais artigos sobre pele e psiquismo


Encontre um dermatologista



 

 
Publicidade

Todos os direitos reservados © Dermatologia.net - desde 1996
É proibida a reprodução de fotos e textos sem a nossa autorização expressa.