Dermatologia OnlineDermatologia Online

Saúde e Beleza da pele
Publicidade
Siga-nos no Twitter Facebook
Enviar
Doenças da Pele

Granuloma piogênico

O que é?

Popularmente conhecido como "carne esponjosa", o granuloma piogênico é uma proliferação de vasos sanguíneos que forma uma lesão tumoral secundária a um traumatismo, como os provocados pelos alicates das manicures ou por uma unha encravada, sendo o canto das unhas a sua localização mais comum.

Manifestações clínicas

Frequentemente localizado nos dedos, o granuloma piogênico caracteriza-se por uma lesão tumoral, avermelhada ou arroxeada, geralmente úmida, de consistência mole e que sangra facilmente aos pequenos traumatismos.

O seu crescimento é rápido e o sangramento pode dar origem à formação de crostas escuras sobre a lesão. Geralmente acompanha-se de processo inflamatório local, com vermelhidão, inchaço e dor na pele ao redor da lesão.


Mais fotos de granuloma piogênico

Tratamento

O tratamento depende do tamanho da lesão. Lesões pequenas podem ser tratadas pela cauterização química. Lesões maiores devem ser tratadas pela eletrocoagulação, após anestesia local.

Granuloma piogênico tratado com curetagem e eletrocoagulação
Antes da cirurgia ------- 1 semana após ------- 4 semanas após
Granuloma piogênico

No caso das unhas encravadas serem o fator desencadeante do granuloma, estas devem ser tratadas. Embora produza alívio temporário, cortar os cantos das unhas só agrava a situação. O ideal é cortar as unhas de forma reta, deixando as suas pontas sairem pelos cantos, por sobre a pele.

Muitas vezes é necessário que procedimentos como a cauterização química do granuloma piogênico e colocação de "calços" sob as unhas para permitir a saída das pontas encravadas sejam realizados por um dermatologista ou profissional indicado por este.

Antibióticos tópicos ou sistêmicos podem ser utilizados em casos de infecção ou inflamação intensa. Casos mais graves podem necessitar de cirurgia para correção da unha encravada, acompanhada de destruição da matriz da unha, de forma química ou cirúrgica.

Em todos os casos, o tratamento deve ser feito ou coordenado pelo médico dermatologista.

Veja também...


Encontre um dermatologista



 

 
fale com o doutor
area medica

Publicidade

Receba a nossa Newsletter!

Enviar
Publicidade
 
Publicidade

Todos os direitos reservados © Dermatologia.net 1996-2013
É proibida a reprodução de fotos e textos sem a nossa autorização expressa.