Dermatologia OnlineDermatologia Online

Saúde e Beleza da pele
Publicidade
Siga-nos no Twitter Facebook
Enviar
Pele e Psiquismo

Urticária nervosa

Urticária é uma erupção alérgica caracterizada por empolação da pele e coceira intensa. O aspecto é de placas avermelhadas, inchadas e quentes, que surgem repentinamente e desaparecem, na maioria das vezes, em minutos ou horas. Há os casos de urticária crônica, nos quais as placas se sucedem por mais de três meses.

A urticária depende de uma predisposição genética da pessoa. Com freqüência, o paciente tem outras manifestações alérgicas, como asma, rinite ou dermatite atópica.

Causas da urticária

A crise de urticária depende do contato do organismo predisposto com um alergeno (um agente que provoca alergia), que pode ser um alimento, um inalante, um contactante, frio, calor, medicamentos.

A reação que se segue leva a uma alteração num tipo de célula, chamada mastócito, que libera histamina (uma substância química) e esta desencadeia uma dilatação de vasos e saída de líquido para os tecidos. Também pode haver urticária por doenças internas, razão por que são sempre necessários exames gerais.

A maneira de evitar a urticária é descobrir seu agente causador e impedir que ele entre em contato com o organismo. Isso é difícil, porque, apesar dos exames e dos testes alérgicos, pelo menos metade dos casos fica sem esclarecimento quanto à sua origem.

Tensão e urticária

Entre as urticárias que terminam sem causa conhecida está aquela que se relaciona com a tensão emocional. Não é possível demonstrar essa relação, mas chega-se a essa suposição acompanhando o desenvolvimento de uma crise. Sugestivamente, a erupção aparece em fase de estresse e tem fases de melhora e reaparecimento, em coincidência com momentos de mais tensão.

Um aspecto curioso é o fato de a pessoa ir dormir sem urticária e acordar, no meio da noite ou pela manhã, coçando-se e cheio de placas. Esse fato indica uma provável origem emocional, porque, durante a noite, o paciente não entra em contato com nenhum alergeno novo nem tem contato renovado com os alergenos diurnos. O único elemento presente é a mente, que não dorme e que, durante o repouso físico, traz as imagens do que foi vivido durante o dia para eliminação de tensão ou para compreensão ou esclarecimento, segundo se supõe.

Um caso real

Tive uma paciente que começou a ter urticária, quando sua casa entrou em reforma e ela teve que mudar-se, com o marido e os filhos, para a casa da sua mãe, que era em local distante de onde morava e onde tinha todas as facilidades, inclusive a escola dos filhos. O transtorno de uma morada transitória, mais o tempo perdido em providências que estavam equacionadas em sua casa, mais os problemas com material e artífices para a reforma, coincidiram com a instalação de crises de urticária.

Quando a atendi estava em estado nervoso muito intenso a ponto de necessitar ingerir um tranqüilizante. Esse estado permaneceu por meses apesar dos antialérgicos prescritos. Quando finalmente a reforma terminou e voltou para sua casa, a urticária desapareceu e nunca mais voltou.

Não há prova material do nexo entre a tensão emocional e a erupção, mas a ocorrência dela durante o período de estresse foi muito significativa. Enquanto não se dispuser de um exame que demonstre materialmente que estresse causa urticária, restará sempre a dúvida. Mas há muitos casos em que, excluídas todas as possíveis causas, sobra apenas o estado emocional como possível razão. Ainda mais quando a urticária termina no momento em que o estresse acaba.

Colaboração: Dr. Roberto Azambuja - Dermatologista

Veja também

Mais artigos sobre pele e psiquismo


Encontre um dermatologista



 

 
Publicidade

Quem somos | Termos de uso | Contato | Anuncie

Todos os direitos reservados © Dermatologia.net - desde 1996
É proibida a reprodução de fotos e textos sem a nossa autorização expressa.

 

 
Nossos parceiros