É fácil prevenir-se contra o câncer de pele. Saiba como clicando aqui!

Área Médica
Siga-nos:

Menu

Pesquisar

Lipoaspiração tumescente: técnica com anestesia local

A crescente demanda por eliminação de gorduras indesejadas levou à massificação da lipoaspiração. Todavia, os riscos inerentes à técnica desencorajam muitos a se submeterem a este procedimento. A lipoaspiração tumescente veio preencher esta lacuna. Como ela é realizada unicamente com anestesia local, os riscos relacionados à anestesia geral são eliminados.

História

Esta técnica foi desenvolvida pelo dermatologista norte-americano Jeffrey Klein, em 1985, sendo difundida através de uma série de publicações científicas. Desde então, estima-se que em torno de um milhão de lipoaspirações tumescentes já tenham sido realizadas em todo o mundo, sem nenhuma morte relatada.

O que é

É uma técnica aspirativa de gordura realizada exclusivamente com anestesia local. A lipoaspiração tumescente se diferencia da lipoaspiração tradicional basicamente pela infusão de uma solução anestésica especial, denominada anestesia tumescente de Klein.

Esta solução tem como base a lidocaína (mesma substância utilizada na anestesia dentária tradicional) infundida em grandes volumes mas em alta diluição, associada a produtos que provocam diminuição do sangramento no local e neutralizam a fórmula. Desta maneira, além de dispensar a anestesia geral, o sangramento é mínimo.

Indicação

É uma opção eficaz para retirada de áreas restritas de gordura cutânea. Os resultados costumam ser excelentes, e a segurança da solução de Klein em termos de danos ao organismo e sangramento é um aspecto de grande importância. Entretanto, ela tem algumas limitações. Como a anestesia é local, a quantidade de gordura removida é limitada. Geralmente, não mais que dois litros por sessão.

Portanto, a lipoaspiração tumescente é uma ótima técnica para pessoas que apresentam gorduras localizadas sem serem obesas.

Onde é realizada

A lipoaspiração tumescente é um procedimento cirúrgico que deve ser realizado em ambiente que comporte cirurgia estéril. Se a condição clínica do paciente for boa e a área a ser tratada restrita, pode ser realizado em sala de cirurgia não hospitalar.

Embora a lipoaspiração tumescente seja realizada com o paciente acordado e totalmente lúcido, indivíduos muito ansiosos podem necessitar de sedação ao longo do procedimento. Nestes casos, a cirurgia deve ser realizada em ambiente hospitalar, com a presença de anestesiologista.

Avaliação pré-operatória

Antes da cirurgia, é de grande importância que haja interação entre o cirurgião e o paciente, já que o sucesso depende de ambos. Pacientes excessivamente ansiosos ou com expectativas pouco realistas sobre os resultados a serem alcançados, devem ser desencorajados a ser operados.

Nesta consulta, é avaliada a qualidade e quantidade de gordura e proposta a melhor alternativa de tratamento. Usualmente, é requisitado um risco cirúrgico completo, preferencialmente realizado por um cardiologista. As medidas e as fotos das áreas a serem tratadas podem ser tomadas neste dia ou no dia da cirurgia.

É conveniente banho com sabonetes anti-sépticos desde três dias antes do procedimento. Uso prévio de medicações homeopáticas, como a arnica, pode diminuir o avermelhamento após o procedimento.

Quando não é administrada sedação, não há necessidade de jejum, mas alimentos “pesados” devem ser evitados. Alho também deve ser evitado, por aumentar o tempo de sangramento, bem como medicamentos antiinflamatórios ou que contenham ácido acetil-salicílico.

Nesta consulta, será indicada a malha contensora (cinta) ideal para ser comprada. Particularmente, é interessante ter duas destas, por questões de higiene.

O dia da cirurgia

Embora alguma ansiedade seja comum, se esta for em excesso é melhor adiar a cirurgia. É bom comparecer ao local da cirurgia em trajes leves e acompanhado por alguém de boa vontade e que transmita tranqüilidade.

O procedimento demora em média 150 minutos e deve ser feito sem interferência externa. O curativo final será envolto pela malha contensora (cinta), portanto é fundamental que o paciente não se esqueça de levá-la. É importante também que o paciente não esteja bronzeado no dia da lipoaspiração.

O pós-operatório

Os cuidados pós-operatórios são tão importantes quanto a cirurgia em si. Exposição ao sol deve ser evitada por pelo menos dois meses após o procedimento. Atividades físicas leves normalmente podem ser realizadas duas semanas após.

A cinta costuma ser mantida por um mês, sendo que na primeira semana, ela só deve ser retirada para o banho. O retorno às atividades cotidianas (trabalho, estudo) é muito variável, dependendo da pessoa e do esforço, podendo variar de três a quinze dias.

Num primeiro momento, podem haver áreas avermelhadas e endurecidas, que desaparecem espontaneamente. É comum a área ficar dolorida nos primeiros dias. Analgésicos costumam ser prescritos e o repouso ajuda bastante.

Devido à infiltração da solução de Klein, nos primeiros dias a aparência é de aumento de volume. Na medida que o líquido vai sendo eliminado pela urina, o resultado começa a aparecer. Em geral, em um mês este já é total, sem manchas ou irregularidades. Drenagem linfática manual pode ser feita a partir da segunda semana, mas não deve ser considerada como essencial.

Complicações

Quando realizada pela técnica clássica de Klein, é desprezível o índice de complicações graves, nenhuma descrita como debilitante ou fatal. Devido a solução tumescente infundida, o sangramento é mínimo, não sendo necessário nem transfusão nem estocagem de sangue.

O uso de microcânulas parece ser o responsável por uma maior homogeneidade do contorno, todavia, é possível alguma irregularidade e ser abordada num segundo momento. Hematoma não é comum, mas pode ocorrer, devendo ser drenado. Seromas são mais freqüentes e, em geral, desaparecem espontaneamente em um mês. Enjôo ou tonteira após o procedimento por vezes ocorre, devendo o primeiro banho ser tomado acompanhado.

Em linhas gerais, quando o procedimento é realizado de acordo com a descrição consagrada de Klein (20 anos de lipoaspiração tumescente), sua segurança é enorme e a satisfação costuma ser elevada. Por questões de marketing, “inovações” à lipoaspiração tumescente vêm sendo divulgadas na mídia. A segurança aqui descrita reside no emprego da técnica tradicional.

Colaboração: Dr. Flávio Luz – Dermatologista

E compartilhe!

Câncer de Pele

Saiba o que é e aprenda a se prevenir

O câncer da pele é um tumor formado por células da pele que sofreram uma transformação e multiplicam-se de...

Saiba mais

Fale com o Doutor

Encontre um Dermatologista

Utilize o nosso sistema de busca para encontrar o dermatologista na localidade ideal para você!

Ir à Busca
Publicidade
Desenvolvido por Visana Comunicação