Cirurgia Micrográfica de Mohs

Tratamento seguro do câncer da pele

A Cirurgia Micrográfica de Mohs é um procedimento cirúrgico meticuloso, para o tratamento do câncer da pele ou mucosas. Baseia-se na avaliação da lesão que está sendo retirada ao microscópio, em vez de apenas ao olho nu, a fim de assegurar que todas as células cancerosas serão removidas.

Em outras palavras, é como se o câncer da pele fosse um iceberg e pudéssemos visualizá-lo por inteiro, e não só a ponta dele, que seria o que aparece do tumor na superfície da pele.

A técnica foi desenvolvida pelo Dr. Frederich Mohs, na Universidade de Wisconsin - USA, na década de 30, pioneiro na sua utilização e que deu o nome à cirurgia.

A Cirurgia de Mohs requer habilidade e treinamento qualificado, pois será necessário ao especialista em dermatologia (denominado cirurgião de Mohs) atuar de três formas:

1. como cirurgião, removendo o tumor;
2. como patologista, identificando o tumor ao microscópio, durante a cirurgia, e mapeando-o num desenho correspondente à área das células tumorais remanescentes;
3. como cirurgião reparador do defeito cirúrgico.

Diferente de outras técnicas utilizadas pela patologia convencional - que examina somente uma pequena parte do tecido retirado - o cirurgião de Mohs tem condições de avaliar todo o tecido ao redor e abaixo do tumor, obtendo uma taxa de cura para câncer de pele de virtualmente 100%.

As etapas da cirurgia micrográfica de Mohs

1. A maioria dos tumores de pele é visível na superfície. O cirurgião de Mohs remove primeiramente o tumor visível. As células tumorais são invisíveis a olho nu e podem se estender para dentro da pele. Observe a ramificação na imagem abaixo.

cirurgia micrográfica de Mohs

2. Uma vez removido o tumor visível, o cirurgião de Mohs necessita fazer uma análise microscópica imediata do tecido (por congelação). Se as células tumorais permanecerem, como mostrado na imagem abaixo, elas poderão ser observadas no microscópio.

cirurgia micrográfica de Mohs

3. O passo seguinte é a marcação e mapeamento do tecido para preservar a orientação precisa do local de retirada.

cirurgia micrográfica de Mohs

4. A amostra do tecido é prensada e cortada em finas camadas, que serão aplicadas numa lâmina.

cirurgia micrográfica de Mohs

5. Ao exame microscópico observa-se que as células tumorais permaneceram.

cirurgia micrográfica de Mohs

6. O mapeamento indica ao cirurgião o local exato onde o tecido adicional deverá ser removido, preservando-se, assim, o tecido sadio.

cirurgia micrográfica de Mohs

A fim de verificar se ainda há tumor residual, procede-se novamente à análise microscópica. Este processo deverá ser repetido até que não sejam encontrados vestígios de células tumorais nas amostras analisadas.

Conclusão

A Cirurgia Micrográfica de Mohs é um método preciso para a remoção de cânceres de pele, evitando que resquícios do tumor original voltem a se desenvolver no mesmo ponto. Esta técnica promove a maior taxa de cura entre todas as modalidades de tratamento, ao mesmo tempo em que preserva ao máximo o tecido sadio ao redor do tumor, a função local e a aparência estética, minimizando as cicatrizes resultantes de um procedimento cirúrgico.

Saiba mais sobre o câncer da pele e como evitá-lo.

Colaboração: Dr. Inácio Faver - Dermatologista

Imagens utilizadas com autorização da Mayo Foundation for Medical Education and Research.

Mais Artigos Especiais