Dermatologia OnlineDermatologia Online

Saúde e Beleza da pele
Publicidade
Siga-nos no Twitter Facebook
Enviar
Artigos Especiais

Cirurgia Micrográfica de Mohs

Tratamento seguro do câncer da pele

A Cirurgia Micrográfica de Mohs é um procedimento cirúrgico meticuloso, para o tratamento do câncer da pele ou mucosas. Baseia-se na avaliação da lesão que está sendo retirada ao microscópio, em vez de apenas ao olho nu, a fim de assegurar que todas as células cancerosas serão removidas.

Em outras palavras, é como se o câncer da pele fosse um iceberg e pudéssemos visualizá-lo por inteiro, e não só a ponta dele, que seria o que aparece do tumor na superfície da pele.

A técnica foi desenvolvida pelo Dr. Frederich Mohs, na Universidade de Wisconsin - USA, na década de 30, pioneiro na sua utilização e que deu o nome à cirurgia.

A Cirurgia de Mohs requer habilidade e treinamento qualificado, pois será necessário ao especialista em dermatologia (denominado cirurgião de Mohs) atuar de três formas:

1. como cirurgião, removendo o tumor;
2. como patologista, identificando o tumor ao microscópio, durante a cirurgia, e mapeando-o num desenho correspondente à área das células tumorais remanescentes;
3. como cirurgião reparador do defeito cirúrgico.

Diferente de outras técnicas utilizadas pela patologia convencional - que examina somente uma pequena parte do tecido retirado - o cirurgião de Mohs tem condições de avaliar todo o tecido ao redor e abaixo do tumor, obtendo uma taxa de cura para câncer de pele de virtualmente 100%.

As etapas da cirurgia

1. A maioria dos tumores de pele é visível na superfície. O cirurgião de Mohs remove primeiramente o tumor visível. As células tumorais são invisíveis a olho nu e podem se estender para dentro da pele. Observe a ramificação na imagem abaixo.

2. Uma vez removido o tumor visível, o cirurgião de Mohs necessita fazer uma análise microscópica imediata do tecido (por congelação). Se as células tumorais permanecerem, como mostrado na imagem abaixo, elas poderão ser observadas no microscópio.

3. O passo seguinte é a marcação e mapeamento do tecido para preservar a orientação precisa do local de retirada.

4. A amostra do tecido é prensada e cortada em finas camadas, que serão aplicadas numa lâmina.

5. Ao exame microscópico observa-se que as células tumorais permaneceram.

6. O mapeamento indica ao cirurgião o local exato onde o tecido adicional deverá ser removido, preservando-se, assim, o tecido sadio.

A fim de verificar se ainda há tumor residual, procede-se novamente à análise microscópica. Este processo deverá ser repetido até que não sejam encontrados vestígios de células tumorais nas amostras analisadas.

Conclusão

A Cirurgia Micrográfica de Mohs é um método preciso para a remoção de cânceres de pele, evitando que resquícios do tumor original voltem a se desenvolver no mesmo ponto. Esta técnica promove a maior taxa de cura entre todas as modalidades de tratamento, ao mesmo tempo em que preserva ao máximo o tecido sadio ao redor do tumor, a função local e a aparência estética, minimizando as cicatrizes resultantes de um procedimento cirúrgico.

Saiba mais sobre o câncer da pele e como evitá-lo.

Colaboração: Dr. Inácio Faver - Dermatologista

Imagens utilizadas com autorização da Mayo Foundation for Medical Education and Research.

Mais Artigos Especiais


Encontre um dermatologista



 

fale com o doutor
area medica

Publicidade

Receba a nossa Newsletter!

Enviar
Publicidade
 
Publicidade

Todos os direitos reservados © Dermatologia.net 1996-2013
É proibida a reprodução de fotos e textos sem a nossa autorização expressa.