É fácil prevenir-se contra o câncer de pele. Saiba como clicando aqui!

Área Médica
Siga-nos:

Menu

Pesquisar

Preenchimento do lóbulo das orelhas

Durante o envelhecimento, a pele perde a elasticidade, a resistência ao estiramento e à gravidade, principalmente no terço inferior da face. Os lóbulos das orelhas também são afetados e se alteram, podendo diferir em tamanho e volume.

A flacidez do lóbulo das orelhas decorrente do envelhecimento é causa de grande desconforto para muitas mulheres, especialmente para quem usa piercing ou brincos pesados. O preenchimento do lóbulo das orelhas pode corrigir esse problema, além de contribuir para um aspecto mais jovem da face.

Preenchimento com ácido hialurônico

As técnicas de preenchimento são utilizadas para repor volume em áreas da face acometidas por sulcos e/ou rugas. Os preenchedores à base de ácido hialurônico, que é um constituinte natural da pele, são os mais utilizados atualmente. São produtos biocompatíveis, com baixo potencial de provocar alergias, poucos efeitos adversos e relativamente duráveis.

Estas técnicas podem ser úteis para corrigir uma queixa crescente nos consultórios dermatológicos: a perda de sustentação do lóbulo da orelha, independentemente de anormalidade no orifício do lóbulo. Pacientes – principalmente as do sexo feminino e acima dos 40 anos – referem que “os brincos ficam caídos” e as alterações mais perceptíveis são a flacidez, perda de volume e presença de rugas nos lóbulos.

O preenchimento dos lóbulos das orelhas visa a correção destas alterações, devendo ser realizado por médico capacitado. Pode ser feito apenas com anestesia tópica (creme anestésico aplicado 60 minutos antes do procedimento), já que a dor para aplicação é bem pequena. O preenchimento é feito ao redor do orifício do brinco e a paciente deve evitar o uso de brincos pesados ou de pressão por 30 dias.

O procedimento é seguro, quase não são observados efeitos colaterais, além de eventual equimose, e traz ótimos resultados para a correção da flacidez do lóbulo das orelhas.

Fonte: Boletim SBCD nº 59 (artigo da Dra. Luciane Scattone)

E compartilhe!

Desenvolvido por Visana Comunicação