É fácil prevenir-se contra o câncer de pele. Saiba como clicando aqui!

Área Médica
Siga-nos:

Menu

Pesquisar

As doenças da pele que mais provocam o estresse

acne é a dermatose que mais cria estresse em seus portadores, porque se localiza no rosto, que não pode ser escondido da vista dos outros e porque é extremamente comum, atingindo quase 100% dos adolescentes e um grande número de adultos. Uma elevada percentagem de pessoas com acne sente vergonha, medo, impaciência e raiva por causa dos cravos e espinhas e alguns se retraem, sentem timidez e se afastam de convívio com grupos, em virtude dos sentimentos negativos que desenvolvem devido à doença.

calvície, que afeta 65% dos homens, é motivo de grande insatisfação e de diminuição da autoestima, gerando preocupação e um nível de insatisfação que obriga os pacientes a procurar todo tipo de tratamento e a submeter-se mesmo a transplantes de cabelos. Pior ainda é a calvície feminina, que atinge somente 10% das mulheres. As visões desastrosas que suas vítimas alimentam originam uma tensão realmente importante, mesmo quando se trata de simples queda de cabelos causada por motivos diversos como pós-parto, oleosidade excessiva ou dietas mal orientadas.

Situação embaraçosa vivem os portadores de hiperidrose palmo-plantar ou axilar. São pessoas que suam abundantemente nas mãos e pés ou nas axilas ou nas três áreas. Neles existe uma hiperatividade das glândulas sudoríparas dessas regiões, que são acionadas pelo calor e pela tensão emocional. De modo que, sempre que passam por tensões, mínimas que sejam, começam a suar profusamente. Esta situação lhes cria nova tensão, que realimenta o estímulo à secreção de suor. Daí, passam a ter medo de suar em ocasiões futuras em que precisariam estar com as mãos secas. Basta este pensamento para voltarem a suar. Portanto, o suor cria estresse e este aumenta o suor.

Por outro lado, há as pessoas que têm as mãos secas demais e, em conseqüência, grossas, escamosas e rachadas. Este quadro, chamado ceratose palmar, também provoca tensão pelo receio de ter que apertar a mão de outra pessoa e esta ter sensação desagradável.

rosácea, que é uma alteração que se localiza no rosto e se acompanha de pápulas, semelhantes às da acne, chama a atenção pela coloração vermelho vivo ou vermelho arroxeado das faces. É inevitável que os outros perguntem o que houve com o rosto da portadora (a maioria dos afetados por esta dermatose é do sexo feminino). Daí, vem a tensão por a pessoa saber que terá que enfrentar perguntas indiscretas.

dermatite atópica, doença alérgica que surge logo nos primeiros três meses de idade com eczema extenso e que, com o passar dos anos, tem a tendência a circunscrever-se às dobras dos cotovelos e dos joelhos, é outro exemplo de fonte de estresse. O problema desta dermatite é o prurido intenso que a acompanha. Em alguns pacientes, a erupção persiste generalizada após a puberdade e pela vida em fora. A pele fica avermelhada, com pequenas bolhas e eliminação de líquido nas fases agudas e muito ressecada nas fases crônicas. O estado da pele e a coceira levam a um grau muito alto de impaciência e tensão.

Doença extremamente incômoda e bastante enervante é a psoríase, que se constitui de placas avermelhadas e escamosas, geralmente acompanhadas de coceira. Ocorre em qualquer parte da pele, principalmente no couro cabeludo, causando uma descamação abundante esbranquiçada, que provoca embaraço no doente. Acresce o fato de não ter ainda uma cura medicamentosa, desenvolvendo-se por surtos, que estão muito relacionados com o estado emocional. O próprio paciente informa que piora sempre que passa por alguma crise de tensão. O fato de não poder controlar o surgimento de lesões em novos surtos, a ausência de perspectivas de cura e o prejuízo para a imagem corporal são fatores de mais estresse, que vai agravar o quadro clínico.

A doença responsável por mais estresse é paradoxalmente aquela com menos incômodo físico, pois que não causa dor nem alteração da superfície da pele e poucas vezes provoca prurido, assim mesmo muito leve. É o vitiligo, que se caracteriza por manchas brancas oriundas da perda da pigmentação da pele. Fisicamente, não há nenhum prejuízo para o paciente. O problema do vitiligo é estético. Entretanto, a quantidade de pensamentos negativos que a presença das manchas gera é assombroso e constitui a questão central da doença. O sentimento mais presente nos pacientes é o medo de que as manchas aumentem e tomem toda a pele. Embora haja tratamentos e possibilidade de cura, a pessoa fica permanentemente assaltada por visões de despigmentação generalizada e repulsa por parte dos outros.

Qualquer dermatose pode ser fonte de tensão, principalmente doenças da pele que exigem sérios cuidados, como hanseníase, lupus eritematoso, doenças bolhosas. Estas são, porém, menos comuns do que as citadas, que, pela freqüência, são responsáveis pela maior carga emocional nos pacientes.

Como lidar com o estresse causado pelas doenças da pele

Em todos esses casos, o estresse só agrava a doença pela depressão imunitária que os hormônios adrenalina e cortisol provocam. É imperioso reduzir o estresse ao mesmo tempo que se trata dos sintomas e das alterações físicas da doença.

Todos os recursos que ajudarem a diminuir o nível de tensão, seja farmacológicos ou não farmacológicos, como respiração, exercícios de relaxamento e de visualização, psicoterapias, devem fazer parte do tratamento, mesmo sabendo-se que o alívio definitivo só se dará com a cura da doença.

Tudo o que concorre para bem-estar, satisfação, alegria e descontração é benéfico ao organismo e promotor de cura e saúde.

Colaboração: Dr. Roberto Azambuja – Dermatologista

 

Veja também

A mente é capaz de fazer adoecer ou curar

E compartilhe!
Desenvolvido por Visana Comunicação