É fácil prevenir-se contra o câncer de pele. Saiba como clicando aqui!

Área Médica
Siga-nos:

Menu

Pesquisar

Carcinomas basocelulares e risco maior de outros cânceres

Um estudo sugere que pessoas que tem um tipo comum de câncer de pele com muita frequência podem apresentar risco maior de desenvolver outros tipos de câncer.

Pesquisadores descobriram o risco aumentado entre pacientes que tiveram muitas ocorrências de carcinoma basocelular, um tipo de câncer de pele diagnosticado em mais de 3 milhões de pessoas nos Estados Unidos por ano.

Pacientes que desenvolveram pelo menos seis carcinomas basocelulares num período de dez anos mostraram risco maior do que a média das pessoas de desenvolver câncer de mama, cólon, próstata e sanguíneo.

carcinomas basocelulares

Carcinoma basocelular

Já é bem sabido que pessoas que tenham tido qualquer forma de câncer de pele tem um risco aumentado de desenvolver outros cânceres de pele, incluindo a forma mais perigosa deles, o melanoma.

No entanto, esse estudo mostra que quando pessoas tem carcinomas basocelulares frequentes, elas também apresentam maior risco de desenvolverem cânceres internos, o que ainda não havia sido visto, segundo a pesquisadora Kavita Sarin, da Universidade de Stanford.

Carcinomas basocelulares e maior suscetibilidade ao câncer

O carcinoma basocelular, cuja causa principal é a exposição da pele à radiação ultra-violeta, é altamente curável e a maioria das pessoas não desenvolvem o tumor de forma tão frequente. Os achados sugerem que quem tem este tipo de câncer em frequência tão alta pode ter uma maior suscetibilidade ao câncer de maneira geral.

Para o estudo, os pesquisadores analizaram o DNA de 61 pacientes com ocorrência frequente do tumor e descobriram que 20% deles tinham mutações nos genes que ajudam a reparar danos ao DNA das células. O câncer surge quando células anormais crescem e se multiplicam sem serem percebidas pelo organismo.

Estes 20% são muito superiores ao percentual encontrado na população em geral, que é de cerca de 3%, disse a Dra. Sarin. Ela ressaltou, entretanto, que os achados baseiam-se em um número pequeno de pacientes e que estudos subsequentes são necessários.

O Dr. Vernon Sondak, que chefia o departamento de câncer de pele no Moffitt Cancer Center, na Flórida, disse que os achados são importantes mas não surpreendentes, e que é sabido há muito tempo que o câncer de pele serve com dica de que uma pessoa é relativamente mais vulnerável aos danos ao DNA por várias causas.

Alteração biológica pode ser a causa

Isso sugere que a mesma alteração biológica que faz com que algumas pessoas sejam mais vulneráveis ao dano provocado pela radiação UV ao DNA também os deixe mais suscetíveis a outros tipos de câncer.

Sendo assim, pessoas com história de carcinomas basocelulares frequentes deveriam investigar a possibilidade de terem outros tipos de câncer, como de mama ou cólon, disse Sondak, que não participou do estudo.

Mais de um terço dos 61 pacientes que foram motivo do estudo por apresentarem alto número de carcinomas basocelulares, uma média de onze cânceres em dez anos, tiveram outros tipos de câncer também.

Entre aqueles que tiveram pelo menos seis basocelulares, o risco de outros cânceres foi de três a seis vezes maior do que em pessoas que não tiveram os tumores de pele com esta frequência.

A Dra. Sarin ressalta que esse risco não se aplica a pacientes que tiveram apenas um ou dois cânceres.

Fonte: JCI Insight 

 

Colaboração: Dr. Roberto Barbosa Lima – Dermatologista Sócio Titular da SBD

 

E compartilhe!

Desenvolvido por Visana Comunicação